Resenha | Superman – Fim dos Dias

448 0

Desde o reboot de seu universo de quadrinhos em 2011, com a linha Os Novos 52, a DC Comics acertou e errou com muitos de seus personagens. Um dos que foram mais criticados pelos fãs foi o Superman. Mais jovem e com um visual hi-tech, o personagem também teve sua personalidade alterada, tornando-se mais sério e mais brusco com seus inimigos. Toda a imagem do bom escoteiro construída durante anos de cronologia foram descartados. Ele também nunca havia se casado com Lois Lane, o amor de sua vida.

Capa da edição publicada pela Panini.

Depois de alguns anos, na saga Convergência, os fãs tiveram um vislumbre do antigo Homem de Aço. Casado com Lois e com um filho, ele ajudou os heróis de diferentes realidades a combater Braniac e Telos, para depois voltar à sua linha temporal. Mas não ficou por lá… a DC decidiu trazê-lo de volta para dentro do universo dos Novos 52 no encadernado Superman: Lois & Clark. Restava uma pergunta: com o escoteirão de volta à ativa, o que fazer com sua cópia menos querida? Sua resposta, caro leitor, está aqui.

Publicado pela editora Panini Comics no começo de abril, no formato de encadernado capa cartão, contendo 196 páginas, Superman – Fim dos Dias mostra a morte do Superman dos Novos 52. Sua morte, no entanto, não tem sequer o mesmo peso da morte do original, publicada pela DC 23 anos atrás.

Depois de vários eventos ocorridos na história do herói, Clark Kent descobre que está morrendo devido a um envenenamento de Kriptonita. Mesmo através de vários estudos em sua Fortaleza da Solidão, Clark não encontra outra saída a não ser procurar seus entes queridos para garantir que a Terra esteja em boas mãos quando se for. Batman, Mulher-Maravilha (com quem teve um longo relacionamento), Supergirl… todos batem cartão para despedida de Clark.

Mas uma HQ de herói, ainda mais sobre a morte do maior de todos, não pode simplesmente passar o tempo todo no luto dos amigos do Homem de Aço, certo? Por isso, Peter J. Tomasi (Tropa dos Lanternas Verdes, Batman & Robin) não perde tempo em criar um vilão de segunda para sair nos socos e pontapés com eles. Neste caso, um pobre humano descartável, que foi atingido por um raio de energia solar do Superman ganhando poderes e pensando que é o verdadeiro kriptoniano.

Em um devido momento da história, o Superman atual e o clássico se encontram em meio ao embate contra o impostor, a hora oportuna para uma demonstração de heroísmo por parte do atual Homem do Amanhã, enquanto ele sucumbe ao veneno em seu corpo e assim faz o maior sacrifício de todos, em prol da humanidade (colocando a responsabilidade do planeta nas mãos do recluso e mais experiente Homem de Aço). Uma cena pensada em conseguir a simpatia do leitor pelo herói caído, porém, sem sucesso. Como informei acima, esta história não chega aos pés da morte do original. Tudo que o leitor casual terá após finalizar esta HQ é uma vaga lembrança de tê-la lido.

Mas… nem tudo são espinhos. Para o leitor fiel e fã do verdadeiro Superman, esta edição é motivo de comemoração, pois fica já estabelecido que o original e herói de muitos está de volta… e pra valer.

Superman – Fim dos Dias cumpre com seu objetivo de acabar de vez com a era dos Novos 52 e estabelece o status quo do Homem de Aço para o Renascimento, com novos personagens e situações a serem abordados pela editora das lendas em nova fase, que já está sendo publicada no Brasil.

Ficha Técnica

Título: Superman – Fim dos Dias
Título original: The Final Days of Superman
Autores: Peter J. Tomasi (roteiro), Mikel Janín, Doug Mahnke, Paul Pelletier, Dale Eaglesham, Scot Eaton, Ed Benes e Jorge Jiménez (arte)
Editora: Panini Comics
Ano: 2017
Idioma: Português
Páginas: 196
Acabamento: Formato americano

Para adquirir esta e outras edições, basta clicar no logo da Panini Comics abaixo.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Quem escreveu isso?

Formado em Publicidade e Propaganda (mas sempre trabalhou no turismo) considera-se membro de uma espécie em extinção no planeta: os DCnautas. Sempre manteve boa parte dos recursos financeiros voltados para à leitura e ao cinema (e agora, casado, ao sustento da casa). Cinema, séries, quadrinhos, livros, action figures e música são considerados partes importantes no dia a dia.