Resenha | Pequenas Grandes Mentiras

531 0

Capa do livro.

Gente, que livro ótimo! Ao ler Pequenas Grandes Mentiras (Intrínseca, 2014, 400 p.), senti-me vendo Desperate Housewives. Não que eu já tenha visto Desperate Housewives alguma vez na vida (tá na lista, um dia vai), mas, na minha cabeça, Desperate Housewives deve ser desse jeito (não me pergunte de onde tirei essa ideia, porque também não sei). Devaneios à parte, o livro vale muito a pena! Especialmente se você curte essas histórias familiares, com um toque de humor e um suspense bem leve sobre um assassinato.

O enredo concentra-se na Escola Pública de Pirriwee. Já reparou que, quando vamos para a escola, a história quase sempre é a mesma? São vários grupinhos, temos nossos melhores amigos, colegas e aquelas pessoas que odiamos com quem não nos damos bem. Rolam algumas brigas, uns segredos, uns boatos, algumas enrascadas, umas implicâncias, uns dramas. A escola por si só representa toda uma vida social à parte. E, quando as pessoas viram pais, parece que a história se repete. Os pais das crianças também passam a ter suas próprias tribos e desafetos na escola de seus filhos. As fofocas, as versões aumentadas da história e as brigas voltam a acontecer. Na verdade, até se acentuam. Ficam até mais fortes e visíveis do que quando acontece no mundo das crianças. E é exatamente isso que Liane Moriarty quer mostrar em Pequenas Grandes Mentiras. A autora alfineta esse tipo de comportamento de maneira irônica e divertida.

A história é centrada na vida de três mulheres: Madeline, Jane e Celeste. As três têm personalidades e estilos de vida bem diferentes e, talvez, nem se tornariam tão amigas, se não tivessem em comum os filhos na mesma série. Madeline é a minha preferida, mas todas as três personagens convencem e cativam logo no começo. Cada uma delas passa por um dilema na vida pessoal e ainda precisam lidar com os problemas escolares de seus filhos e as picuinhas escolares dos adultos. O livro também toca em temas pesados (e muito necessários!) como bullying e violência doméstica de maneira franca e certeira.

Para completar, descobrimos, logo no primeiro capítulo, que houve um crime em um evento da escola. Mas não sabemos quem foi a vítima, o assassino e nem como aconteceu. À How to Get Away with Murder e Damages, o livro vai mostrando a linha do tempo antes desse acontecimento chave, enquanto progressivamente revela novas evidências e intercala pequenos flashes do depoimento de cada um dos pais. As revelações finais me pegaram totalmente de surpresa e adorei o desfecho nada previsível. Além de surpreendente, também é desses livros que termina de forma redondinha (desses que mostram até 1 ano depois).

O que Shailene Woodley, Reese Witherspoon e Nicole Kidman têm a ver com isso? Descubra ao fim do texto…

Pequenas Grandes Mentiras reúne, de maneira envolvente, ironia, senso de humor, drama familiar e um toque de suspense, características que não resisto. Se, até agora, considerando os livros que li em 2016 (que ok, não foram muitos, confesso), tivesse que indicar apenas um para vocês lerem, seria esse.

P.S.: para a minha completa ansiedade e alegria, a HBO vai lançar uma minissérie baseada no livro em 19 de fevereiro de 2017. No elenco, apenas Nicole Kidman, Reese Witherspoon, Laura Dern e Shailene Woodley.

Livro: Pequenas Grandes Mentiras
Autora: Liane Moriarty
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
ISBN: 9788580573015
Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Quem escreveu isso?

Tarsila Zamami sempre quis ser profiler. Enquanto não é recrutada para trabalhar na BAU, dedica-se à sua outra paixão: entretenimento. Formada em jornalismo pela PUC-SP, acredita que é no cotidiano que estão os melhores enredos. Ama histórias. Das pessoas e das telonas. Perfeccionista, viciada em listas, maníaca por séries e apaixonada por Moleskines. Sempre quis jogar Jumanji. Para saber (quase) tudo acesse seu blog: confissoesesincericidios.com