Resenha | Fabulosos Vingadores – Vingar a Terra

195 0

Capa do encadernado publicado pela Panini Comics.

Depois da caótica destruição do Planeta Terra provocada por Eimin e Uriel, os Gêmeos do Apocalipse, no volume anterior (leia a crítica clicando aqui), somos apresentados ao Planeta X, lar paradisíaco de todos os mutantes. Janet Van Dyne (Vespa) é a última humana viva e, ao lado do seu marido, Alex Summers (Destrutor), e Hank Mccoy (Fera), luta para poder voltar ao passado, impedir a destruição da Terra e salvar a humandade. Em sua última tentativa de concluir este plano, Destrutor e Vespa são violentamente atacados por Magneto e sua X-Force. Vespa acaba prisioneira e Alex volta para seu esconderijo ferido, onde é recebido pelo Fera, que trata de seus ferimentos. Neste momento, somos apresentados a filha de Jenet e Alex: Katherine Summers. Logo em seguida, Kang aparece com um esquadrão de heróis e vilões de diversas linhas temporais e faz uma proposta a Alex: alterar o presente. De início, Alex recusa a oferta, mas Kang sequestra sua filha e o herói não tem mais saída a não ser aceitar.

Com o resgate de Wolverine e Solaris, o grupo utiliza a tecnologia de Kang para projetar suas mentes para os seus eus do passado e assim atuar para impedir que os Celestiais destruam o planeta. O plano dá certo depois que Vampira (que “roubou” o poder de inúmeros heróis) e o Sentinela impedem a descida do Celestial na Terra, dando tempo de Thor usar Jarnbjorn para matá-lo.

Porém, Kang, como esperado por Destrutor, trai sua equipe e tenta absorver a energia cósmica do Celestial e assim criar a Disnastia Kang. O jogo mudou: cabe agora aos heróis lutarem contra Kang.

Escrito por Rick Remender (X-Force) e desenhado por Daniel Acuña (Viúva Negra), este volume marca o fim deste primeiro arco de Fabulosos Vingadores (iniciado em Fabulosos Vingadores – Gêmeos do Apocalipse), antes de entrarmos no prelúdio para Saga Eixo (AXIS no original – publicada em 2014 nos EUA).

Remender consegue concluir sua linha narrativa de forma satisfatória. O problema é que o leitor precisa ter um amplo conhecimento do Universo dos Vingadores e dos X-Men para poder acompanhar o arco. Você precisa ler não só os volumes anteriores, como toda Saga do Anjo Negro (que começou a ser publicada por aqui em X-Men Extra #127, em 2012), que também foi escrita pelo autor. Boa parte dos traumas dos personagens vistos durante este arco (principalmente os mutantes) são mostradas nesta saga da equipe black-ops liderada por Wolverine. Recomendo também a leitura de Dinastia M.

Outra coisa que decepciona um pouco também é o fato de que o primeiro volume, Fabulosos Vingadores – A Sombra Vermelha (que trata da volta do Caveira Vermelha que adquiriu para si os poderes de Charles Xavier), fica completamente deslocado no meio de toda esta Saga. Veja bem, começamos com o Caveira causando a morte de vários inocentes ao controlar a mente das pessoas e depois temos o início da saga dos gêmeos e o Caveira nem é mais mencionado. Espero que o autor corrija este erro no futuro, mas a impressão que temos é que o Caveira foi usado apenas como vilão-teste e não com a devida importância que o personagem possui.

As ilustrações de Acunã continuam excelentes e nos trazem cenas de ação épicas na medida certa. Cada página é um vislumbre da alta capacidade artística do desenhista.

A Panini também está de parabéns por trazer com uma periodicidade bastante curta todos os volumes da fase Nova Marvel, disponibilizando títulos diversos e com ótima qualidade gráfica e baixo custo. Isto ajuda o leitor que está fora dos quadrinhos a voltar para curtir seus personagens favoritos.

Ficha Técnica

Título: Fabulosos Vingadores – Vingar a Terra
Autores: Rick Remender (roteiro), Daniel Acuña (arte)
Editora: Panini Comics
Ano: 2017
Idioma: Português
Páginas: 140
Acabamento: Formato americano

Para adquirir esta e outras edições, basta clicar no logo da Panini Comics abaixo.

Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Quem escreveu isso?

Formado em Publicidade e Propaganda (mas sempre trabalhou no turismo) considera-se membro de uma espécie em extinção no planeta: os DCnautas. Sempre manteve boa parte dos recursos financeiros voltados para à leitura e ao cinema (e agora, casado, ao sustento da casa). Cinema, séries, quadrinhos, livros, action figures e música são considerados partes importantes no dia a dia.